Silêncios


Aos silêncios que
Não aguardam respostas,
Mesmo que em nós pulse
Com fervor inviolável,
O desejo de tornar
Esse estado mudo em festa,

Incluem-se:

Crepúsculos marejados,
Noites de festas,
Manhãs povoadas,
Tardes de preguiça
Poentes solitários..

Aos silêncios que
Deixam rastros de folhas outonais
E alguns cheiros
Que nos remetem a começos,

incluem-se:
Manhãs,
Infância,
Café recém coado,
Primavera,
Pão saindo do forno,
Cantigas de roda,
Laço de fita nos cabelos,
Primeiro beijo,
Primeiro amor,
Frio no estômago,
Primeira dor,
Banho de cachoeira...

Tudo mais o esquecimento perde,
A memória transforma
E ficam os silêncios
Das Lembranças,
Das saudades...

Um comentário:

Anônimo disse...

As alegrias e tristezas são finitas, o que escreves fica para sempre. Não esqueças que tens um compromisso com os sentimentos e impressões que traduzes em palavras.

Sonha e sonha menina bonita o teu sonho. Quero te ver sorrir de viva alegria.

Não percas teu jeito de moleca. Não te percas de ti.

Sonha e sonha menina bonita...