Velada

Queria poder me despedir de ti,
Diz porque não sou capaz?

Mesmo depois de ter chorado
Tantas vezes a mágoa
Do que nunca alcançaste,
Porque não sou capaz
De te deixar partir?

Mesmo que já não estejas comigo,
E eu me pergunte, compulsivamente:
- Será que alguma vez estiveste?
Porque nem assim sou capaz?

Esse salto no escuro
É também a negação que me dá alento
Para as horas em que não estás aqui,
Então restam-me as palavras,
O remédio santo dos sem retorno.

É por isso que não consigo ir embora.

Nenhum comentário: