Qual é mesmo a palavra?



No momento não me ocorre
a palavra adequada
que resuma o momento intimista.

O que quero dizer (escrever),
sem rodeios,
(hábito cultivado e conhecido)
abrindo mão de explicações
cientificamente elucidatórias
é que sou essencialmente
ser de gestos furtivos
com idéias sobre o infinito
que na maioria das vezes
cabem num punhado de palavras.

Idéias que se resumem
num punhado de dias
a serem lembrados
ou completamente esquecidos.

Fulgas?

Não..

Instinto de sobrevivência
acima de tudo e apesar
do mesmo tudo que pode
ser um nada.

Isso me alivia, e muito,
pois a idéia de infinito
é com freqüência associada
ao sentido de eternidade.

A idéia do eterno me cansa,
e muito!

Nenhum comentário: