Mudar



Fui o sabor adivinhado
e nunca provado,

Foste a mão que
acalentava sonhos
porque sonhar não implicava
em mudar a ordem das coisas

Fui o abraço prometido
e nunca sentido,

Foste o verso e a prosa
de palavras soltas ao léu
que calavam mais do que falavam,
acorrentadas em si mesmas
e sempre entendidas.

E assim sempre será,
no dia depois de amanhã,
uma porta se fecha
para que outra se abra...

Nenhum comentário: