Bem Devagar


Anotações rasgadas,
Fragmentos perdidos
Por estarem guardados
No lugar esquecido.

Eu sigo bem devagar
Alinhavando, sempre,
Vazios que não se esgotam,
Sentimentos que ruminam,
Espantos que não me alcançam
Silêncios estigmatizados,
Muitas cismas de tudo e de nada,
Sempre demais e nunca de menos.

Ando em meandros
Esquecida de mim,
Adejada de esperanças vãs
Que guardo nas dobras
Dos meus vãos desbotados.

2 comentários:

Pinguim Gelado disse...

Essa é você, Bruxa! Difícil de ser seguida e achada até por você mesma; mas, também, nesse zigue-zague emocional... Contudo, você deixa rastros. Para ser encontrada? Não! Para ser seguida, tão-somente. E cá estou eu, seguindo seus rastros...
Eu mudei de blog, Bruxa:
http://pinguimdapatagonia.blogspot.com/
Quando você voltar desses seus devaneios, eu quero conversar com você... Beijos do seu amigo "PG"...
Tchau!

a mão que afaga o gato disse...

Pg,

saudades, vou conhecer o seu blog e deixo recado