Adjetivo Intimo


As palavras perfumadas,

Fecham-se em trevas

E silêncios substânciais.


Tempo absurdo!


(as)sombrada em sombras sustadas,

(as)sonada,

(es)fomeada,

Sobre os parênteses

Expressam o abraço

Que às palavras símbolos

Competam o que

Olhos e sentidos não alcançam.


Segredo do tão intimo!


Sob a luz bruxelante de uma vela,

Tentando resgatar

Da perplexidade em que átomos,

Partículas,

Ficaram suspensos

Com fome de devorar

As palavras que não eram minhas

Mas me despiam

À cada letra entrelaçada

Remetiam-me a mim do meu EU,

Entregues por um adjetivo

Que violava sentidos

Com fome,

Cheio de ânsias,

Mas numa cadência

De amante experiente

Que me esvaziava e abundava

E antes do ápice

Voltava ao começo,

Aquietando pacientemente

Como amante

O adjetivo intimo que mantenho em segredo

E transformava as palavras orgasmo

Em sêmen escorrendo pelas minhas coxas.


Obs.: foram escritas me uma folha de papel

Sob a luz de velas

Nenhum comentário: