Clandestino


Talvez eu fosse tudo que tinhas como certezas
Ou,
O que jamais poderias imaginar.
Alcançar,
Possuir...

Suas palavras talvez tivessem o poder de me abalar,
Ou,
Eram apenas palavras soltas ao acaso,
Sem causa,
Efeito,
Direção...
e
A lufada de vento que passava por ti,
Imperceptível,
Talvez fosse um sopro gostoso,
Que embaraçava meus cabelos,
Hálito fresco
Que arrepiava minha pele,
Abrandava o fogo onde ardia e me consumia.

Esse amor que sentias por mim
Podia ser o ódio
Que mantinha represado dentro do meu peito.
Por todos,
Por ti
Por mim,
Por ninguém...

Talvez as palavras que gritaste
Foram justamente as que não ouvi,
Perderam-se no tempo presente,
Passado mudo,
Clandestino,
Futuro previsível...

Nenhum comentário: