De quem é a sanidade?


Quando entardeceu tua sombra em mim,
Trazia eu sombras no rosto
E um rascunho frio de letras perfeitas
com dizeres imperfeitos
A música ao silenciar nos tornou meio prosa
Não tinha eu tantas palavras como pensei
Sem jeito ficamos e as letras palavras ficaram
E as palavras confissões revelaram
E o apego aconteceu
E da ausência se fez saudade
E o teu desejo embaraçoso me tirou dessa aflição
E o meu querer sem medidas
Te resgatou para viver uma loucura perfeita

Foto: Web
Ouvindo:
As Curvas da Estrada de Santos

Nenhum comentário: