Patética

Uma sonata tão patética como a minha existência. Lembro-me de algo que li não sei onde nem quando, algo mais ou menos assim: "A única coisa a qual o homem realmente tem certeza é que a vida não tem sentido." E eu concordo. Às vezes, é estranho, fico sentindo saudades das coisas que ainda não fiz. Patética como sou, não há. A valsa que dancei, ou melhor, que imaginei ter dançado não foi suficiente. Morri antes de terminá-la. Como existir? Quais foram os erros se é que existiram? Talvez tenha saudade de viver o que ainda por vivi.

Nenhum comentário: