Sangrando


Minha alma que andava sem alento,
desorientada,
perdida...

Não sabia dos seus erros,
não sabia dos porquês
e do ódio,
Não sabia...

Sentia saudades,
sentia afeto,
sentia culpa por algumas mentiras...

Precisei me jogar a teus pés
para entender o que estava errado.
Minha alma se despede de cara limpa
e meus versos de alma lavada.

Não sinto mais a boca seca,
a rima triste,
e nem sinto vazios

Hoje eu me despeço de ti
e volto a estar inteira.
E vou por ai,
Feito uma saudade
que não sangrará com a partida...

Não espero pela tua volta
Porque fui eu que te mandei embora
E não me arrependo.

A dor que agora sangro?

- Vai passar. Já passou...

Nenhum comentário: