Sangue extinto


Persiste o lado avesso
Que nunca se expõe
E nem se dissipa.
A existência,
Um deserto sem miragens,
Meu eu abreviado,
De gestos vagos
Claro e explicito
E tão transitório,
Sonhando sem raízes
O sangue extinto...

Foto: Web

Ouvindo:
Doce Vampiro

Nenhum comentário: